.



"Todos sabemos que cada dia que nasce é o primeiro para uns e será o último para outros e que, para a maioria, é so um dia mais."
José Saramago

domingo, outubro 21, 2007

...A vida!

Por vezes, o sonho dá-nos o que a realidade nos nega!
Tantas e tantas vezes sonhamos – mesmo que acordados – a pensar como seria bom se tudo fosse igual ao que não é…
Tantas e tantas vezes nos deparamos com uma realidade que não escolhemos, que nem sequer preparámos nem tão pouco prevíamos.
Pois é, amiga, somos humanos!
Seres parcialmente livres e relativamente capazes!
Porque de absoluto e totalmente verídico só temos duas coisas:
um dia, o nascimento; outro dia, a morte.
Nua e crua e quase impossível de mastigar!
Todo o intervalo entre um facto e o outro é um mistério…
Uma luta, uma conquista!
A vida!...
Forte? É o que se levanta da lama, trazendo no bolso as coisas más e nas mãos os sorrisos e as imagens de todos com quem se cruzou, espalhando pelos restantes a alegria de viver e a vontade de vencer!

Não perguntes como nem porquê, apenas sente e sorri!
As respostas chegam a seu tempo…

...A vida!

5 comentários:

Dark Lady disse...

As respostas chegam sempre...demoram é muito...

Bloody Kisses

DarkLady

Visão Caleidoscópica disse...

Excelentes pensamentos Mári!
Linda filosofia de vida!
Adorei.
Beijos mil, de corrida,mas com muito carinho que sabes sinto por ti.
Até mais...

Dias disse...

O texto tem a beleza do teu pragmatismo, mas não fiquei satisfeito com a conclusão... e se as respostas insistirem em nos bater nos olhos?

Beijo sentindo e (às vezes) sorrindo, mas sentindo um pouco mais sempre.

Visão Caleidoscópica disse...

Oi!
Lembraste-te do que te prometi há uns postes atrás?
Voltar para ler a saga do naufrágio.
Pois aqui estou eu!
Vou ali...ler.
Já cá volto.
Até já...

Visão Caleidoscópica disse...

O prometido é devido...

Pronto, já li!
Bonito o teu viver.
Mas não sei bem o que te dizer.
Transcrever o que senti
Não é fácil de fazer...
Como eu gostava de te conhecer!
Numa ilha perdida
Numa ilha encontrada.
Pouco importa a razão,
Motivo ou estrada,
Apenas importa saber
Que sobrevives do nada!
E de novo regressas
Perdida
E de novo encontrada!

Será que nos conseguimos entender?!

Beijos mil, para ti.
Até mais...